sábado, 31 de dezembro de 2011

Levar a fé a sério- Opinião - Jornal de negócios online

Artigo do ex-primeiro ministro inglês tratando da necessidade do ecumenismo para um mundo melhor. Vale a pena ler.

Alguns trechos:

O termo "Primavera Árabe" já é fortemente debatido. Será que as revoluções no mundo árabe pressagiam gloriosos dias de Verão ou uma travessia por um Inverno desolador? Uma coisa é certa: a influência da religião e da fé na determinação do resultado.
...
Com efeito, uma debilidade fundamental da política externa, especialmente no Ocidente, está no pressuposto de que as soluções políticas, por si só, abrem caminho para o futuro. Não é verdade. Quem sente que a sua fé o compele a agir no sentido de destruir o respeito mútuo tem de ser persuadido de que essa é uma leitura errada da sua fé; caso contrário, essa compulsão baseada na fé irá sempre superar os argumentos políticos laicos.
...
Mas a democracia não tem apenas a ver com eleições livres e com a norma constitucional de defesa da liberdade. Tem a ver com a liberdade de expressão, com a liberdade religiosa e com mercados que - apesar de regulados - sejam também livres e previsíveis. Por outras palavras, a democracia não é um mero sistema de votação, mas sim uma atitude de mente aberta.
...
Existem duas faces da fé no nosso mundo de hoje. Uma é observável não apenas nos actos de extremismo religioso, mas também no desejo de as pessoas religiosas usarem as suas crenças como um emblema de identidade em oposição a quem é diferente. A outra face é definida por extraordinários actos de sacrifício e compaixão - como, por exemplo, cuidar dos doentes, incapacitados ou indigentes.
...
Esta luta entre as duas faces da fé é travada no mundo inteiro. Aquilo de que precisamos é de plataformas de compreensão, respeito e inclusão, em apoio à visão da fé com uma mente aberta.
...
A questão é que a fé é cultura; e no mundo actual, as pessoas de culturas diferentes estão a entrar em contacto umas com as outras a um ritmo sem precedentes. Se isso provoca harmonia ou discórdia só vai depender da sua mentalidade - aberta ou fechada. Poderá uma forte crença religiosa coexistir com tal pluralismo?
...
Em resumo, precisamos de uma democracia que encare a religião de forma amigável e precisamos de uma religião que encare a democracia de forma amigável. Nesta época de celebração cristã, esta é uma mensagem importante que Jesus Cristo, estou certo, teria aprovado.

Tony Blair, que foi primeiro-ministro do Reino Unido, é o fundador da Tony Blair Faith Foundation (www.tonyblairfaithfoundation.org).

© Project Syndicate, 2011.
www.project-syndicate.org
Tradução: Carla Pedro
Postar um comentário